Carne fica 6,10% mais barata e volta a ser protagonista na mesa das famílias

12 de agosto de 2017 - 08:58 | Economia

Maracaju em Foco - Notícias - Carne fica 6,10% mais barata e volta a ser protagonista na mesa das famílias

Crise e aumento nos estoques com embargo dos EUA favoreceram queda no preço da carne (Foto: João Paulo Gonçalves)

O preço da carne em Mato Grosso do Sul caiu 6,10% entre os meses de junho e julho de 2017 graças ao aumento nos estoques provocado pelo embargo norte-americano. Por estar mais em conta, o produto reassumiu o protagonismo na mesa dos consumidores, já que ele estava sendo substituído por cortes de frango e porco para não pesar no bolso das famílias.

Conforme o Nepes (Núcleo de Estudos e Pesquisas Econômicas da Uniderp), a crise também favoreceu o excesso de carne no varejo em razão dos índices de desemprego, que por sua vez afetaram o poder de consumo.

Dados divulgados pela instituição mostram que se comparados os preços do mês de julho deste ano com o mesmo período em 2016, a redução é ainda maior: 8,68%.

Porém, a alegria dos consumidores deve durar pouco diante da expectativa da retomada das importações pelos Estados Unidos e outros países. Além disso, a entressafra este ano deve ser rigorosa. Com pouco pasto, os produtores deverão investir em insumos para complementar a alimentação dos animais, encarecendo o custo de produção que deve ser repassado ao consumidor.

O frango, importante substituto da carne bovina em períodos de preços altos, ficou 5,45% mais barato em julho de 2017 em comparação com o mesmo período do ano passado. Neste ano, entre junho e julho houve redução de 1,19%.

Roberto estocou carne vermelha quando preços estavam mais em conta e complementou com cortes suínos e frango (Foto: João Paulo Gonçalves)

Roberto estocou carne vermelha quando preços estavam mais em conta e complementou com cortes suínos e frango (Foto: João Paulo Gonçalves)

Criatividade – Mesmo com preços mais caros, os sul-mato-grossenses não tiram completamente a carne do cardápio, mas fazem reduções significativas nas quantidades do produto que levam para casa e se adaptam às condições do mercado para não prejudicarem o orçamento doméstico.

A funcionária pública Darlene Pereira Mendes, 57 anos, aproveitou o período em que a carne estava mais cara para deixar a alimentação mais saudável inserindo frango, verduras e legumes nas refeições.

“O brasileiro tem essa habilidade de conseguir driblar a crise financeira, mas não deixa de consumir”, pontua.

Contudo, a família não abriu mão dos churrascos no fim de semana e a economia semanal ajudou a garanti-los. “Eu tenho um genro gaúcho e o Dia dos Pais vai ser comemorado na casa dele. Com certeza o churrasco vai estar presente”, completa.

O pedreiro Roberto Carlos Rodrigues Moura, 46 anos, adotou uma estratégia diferente. Nos períodos em que o preço da carne atingiu os valores mais elevados, ele tinha estoque do produto em casa. Contudo, para não esgotar tudo de uma vez, ele comprou mais frangos e carne de porco para complementar o cardápio.

“O churrasco a gente manteve. Normalmente reúno os amigos em casa e a gente faz uma vaquinha e divide o preço da carne ou cada um traz um pouco. Agora com o preço mais baixo o Dia dos Pais vai ficar ainda melhor”, pontua.

Luiz Carlos Victor da Silva, 49 anos, é dono de um açougue na Avenida das Bandeiras. Ele comenta que o movimento no estabelecimento caiu nos últimos meses e os clientes fiéis reduziram a quantidade de carne e passaram a comprar mais frango para driblar a crise. “As pessoas já voltaram a comprar carne normalmente”, completa.

Fonte: Campo Grande News


Array ( [Novidade] => Array ( [id] => 19582 [user_id] => 23 [titulo] => Carne fica 6,10% mais barata e volta a ser protagonista na mesa das famílias [texto] =>

Crise e aumento nos estoques com embargo dos EUA favoreceram queda no preço da carne (Foto: João Paulo Gonçalves)

O preço da carne em Mato Grosso do Sul caiu 6,10% entre os meses de junho e julho de 2017 graças ao aumento nos estoques provocado pelo embargo norte-americano. Por estar mais em conta, o produto reassumiu o protagonismo na mesa dos consumidores, já que ele estava sendo substituído por cortes de frango e porco para não pesar no bolso das famílias.

Conforme o Nepes (Núcleo de Estudos e Pesquisas Econômicas da Uniderp), a crise também favoreceu o excesso de carne no varejo em razão dos índices de desemprego, que por sua vez afetaram o poder de consumo.

Dados divulgados pela instituição mostram que se comparados os preços do mês de julho deste ano com o mesmo período em 2016, a redução é ainda maior: 8,68%.

Porém, a alegria dos consumidores deve durar pouco diante da expectativa da retomada das importações pelos Estados Unidos e outros países. Além disso, a entressafra este ano deve ser rigorosa. Com pouco pasto, os produtores deverão investir em insumos para complementar a alimentação dos animais, encarecendo o custo de produção que deve ser repassado ao consumidor.

O frango, importante substituto da carne bovina em períodos de preços altos, ficou 5,45% mais barato em julho de 2017 em comparação com o mesmo período do ano passado. Neste ano, entre junho e julho houve redução de 1,19%.

Roberto estocou carne vermelha quando preços estavam mais em conta e complementou com cortes suínos e frango (Foto: João Paulo Gonçalves)

Roberto estocou carne vermelha quando preços estavam mais em conta e complementou com cortes suínos e frango (Foto: João Paulo Gonçalves)

Criatividade – Mesmo com preços mais caros, os sul-mato-grossenses não tiram completamente a carne do cardápio, mas fazem reduções significativas nas quantidades do produto que levam para casa e se adaptam às condições do mercado para não prejudicarem o orçamento doméstico.

A funcionária pública Darlene Pereira Mendes, 57 anos, aproveitou o período em que a carne estava mais cara para deixar a alimentação mais saudável inserindo frango, verduras e legumes nas refeições.

“O brasileiro tem essa habilidade de conseguir driblar a crise financeira, mas não deixa de consumir”, pontua.

Contudo, a família não abriu mão dos churrascos no fim de semana e a economia semanal ajudou a garanti-los. “Eu tenho um genro gaúcho e o Dia dos Pais vai ser comemorado na casa dele. Com certeza o churrasco vai estar presente”, completa.

O pedreiro Roberto Carlos Rodrigues Moura, 46 anos, adotou uma estratégia diferente. Nos períodos em que o preço da carne atingiu os valores mais elevados, ele tinha estoque do produto em casa. Contudo, para não esgotar tudo de uma vez, ele comprou mais frangos e carne de porco para complementar o cardápio.

“O churrasco a gente manteve. Normalmente reúno os amigos em casa e a gente faz uma vaquinha e divide o preço da carne ou cada um traz um pouco. Agora com o preço mais baixo o Dia dos Pais vai ficar ainda melhor”, pontua.

Luiz Carlos Victor da Silva, 49 anos, é dono de um açougue na Avenida das Bandeiras. Ele comenta que o movimento no estabelecimento caiu nos últimos meses e os clientes fiéis reduziram a quantidade de carne e passaram a comprar mais frango para driblar a crise. “As pessoas já voltaram a comprar carne normalmente”, completa.

Fonte: Campo Grande News

[imagem] => b029da86b01d947d9caca7b287adeb85.jpg [url] => carne-fica-6-10-mais-barata-e-volta-a-ser-protagonista-na-mesa-das-familias [visualizacoes] => 0 [created] => 12 de agosto de 2017 - 08:58 [destaque] => [scroll] => [categoria_id] => 25 ) [User] => Array ( [id] => 23 [fullname] => Ben Hur Salomão Teixeira [active] => 1 [role] => adm ) [Categoria] => Array ( [id] => 25 [nome] => Economia [url] => economia [prioridade] => 4 ) [Noticiagaleria] => Array ( ) [Video] => Array ( ) ) 1
Maracaju em Foco - Notícias - Anúncio Maracaju em Foco - Notícias - Anúncio Maracaju em Foco - Notícias - Anúncio