Saúde - Maracaju: Secretaria Municipal de Saúde em parceria com Rede Feminina de Combate ao Câncer e cabeleireiros da cidade coletam mechas de cabelo para perucas a mulheres em tratamento. Saiba mais.

Entretenimento - Com almoço beneficente, Casa da Amizade equipará setor de pediatria do Hospital Soriano Corrêa com brinquedoteca. Saiba mais.

Entretenimento - Maracaju: Mantendo tradição, empresários e amigos organizam 3º Almoço Beneficente que beneficiará Casa da Criança Margarida e Lar do Idoso.

Câmara Municipal - Encerrando ações para crianças, Vergílio da Banca apoia e participa de evento em parceria com presidência da Associação de Moradores do Ema Rigo.

Informe Publicitário - Com investimentos em qualidade e atendimento, Celerium Telecomunicações consolida-se no mercado e obtém aumento de 88% em procura de serviços, comparado com o melhor mês dos últimos 18 meses. Saiba mais.

Última Hora - Consórcio composto por 19 municípios mineiros visita Maracaju. Saiba mais.

Última Hora - Em desdobramento da Operação Viribus , Polícia Civil de Maracaju cumpre mandados de prisão de traficantes

Esporte - Copa Maracaju de Futsal: primeira rodada teve 24 gols em 03 partidas.

Câmara Municipal - Vereador Nego do Povo pede reparos na Rua Duque de Caxias e cobra extensão do serviço de recapeamento para vias do Bairro Alto Maracaju. Leia e assista.

Informe Publicitário - Habitação Cred possibilita o seu consórcio para a compra do seu carro com parcelas que cabem no seu bolso. Saiba mais.

Maracaju em Foco - Notícias - Anúncio
Maracaju em Foco - Notícias - Anúncio

Brasil tem pior desempenho do século na corrida de São Silvestre

03 de janeiro de 2018 - 07:26 | Esporte

Maracaju em Foco - Notícias - Brasil tem pior desempenho do século na corrida de São Silvestre

A São Silvestre de 2017 foi a pior do século 21 para os brasileiros, considerando as provas masculina e feminina. No domingo (31), em São Paulo, o país teve como melhor resultado a décima colocação de Joziane Cardoso, 32.

No masculino, o primeiro representante brasileiro a cruzar a linha de chegada foi Ederson Vilela, 27, somente na 12ª colocação.

Foi também a primeira vez desde 2011 que o Brasil não chegou ao pódio em nenhum dos naipes -os cinco primeiros são premiados. Naquele ano, Cruz Nonata foi a sexta e Damião de Souza o sétimo.

O resultado de 2011 era também o pior obtido por atletas brasileiros no século até a prova de 2017. "Estou feliz com o meu resultado. No ano passado, fui o sétimo, mas o segundo melhor brasileiro. Neste ano, fui o melhor brasileiro", disse Vilela.

"Mas é verdade também que precisamos repensar as coisas. É muito ruim não ter nenhum brasileiro no pódio, em que pese a força dos africanos", disse o atleta que completou a prova em 46min55s, bem distante do vencedor Dawitt Admasu.

O etíope, que havia ficado com o triunfo em 2014, conquistou o bicampeonato com a marca de 44min15s em uma corrida disputada sob chuva.

Admasu, que registrou o melhor tempo da prova desde 2013, contou que vinha fazendo uma preparação especial para a São Silvestre. Passou mais de dois meses treinando em seu país natal, a 3.000 m de altitude.

"Acho que esta questão de treinar na altitude acaba sendo um diferencial para nós africanos", afirmou Admasu.
Para Vilela, os brasileiros precisam encarar a São Silvestre como uma prioridade.

"Nós [brasileiros] temos de correr várias provas no ano para fazer um pé-de-meia e acabamos chegando cansados. Mas isso não pode ser desculpa sempre", disse.

Há seis anos o Brasil não vence a prova masculina. O etíope Belay Bezabh ficou com o segundo lugar, com a marca de 44min33s. Já o queniano Edwin Rotich foi o terceiro, com 44min43s. Nos quilômetros iniciais da prova, ele foi tocado acidentalmente pelo brasileiro Wellington Bezerra e os dois acabaram levando um tombo.

"Eu nem vi o que aconteceu. Senti apenas um toque na minha perna e fui pro chão. Felizmente consegui me recuperar e manter o ritmo", disse o africano, vencedor em 2012 e 2013.

Na prova feminina, Flomena Cheyech sobrou em relação às adversárias e completou os 15 quilômetros em 50min18s. A segunda colocada, Birhane Adugana, da Etiópia, fez a prova em 50min55s.

Também no ano passado nenhuma brasileira subiu ao pódio feminino. A última vez que isso aconteceu foi em 2015, com a própria Joziane, na quarta colocação. O último triunfo data de 2006. "Sei que não é impossível vencer as africanas. No ano que vem, quero fazer mais treinos em altitude", disse.

Reportagem: FolhaPress


Array ( [Novidade] => Array ( [id] => 22842 [user_id] => 23 [titulo] => Brasil tem pior desempenho do século na corrida de São Silvestre [texto] =>

A São Silvestre de 2017 foi a pior do século 21 para os brasileiros, considerando as provas masculina e feminina. No domingo (31), em São Paulo, o país teve como melhor resultado a décima colocação de Joziane Cardoso, 32.

No masculino, o primeiro representante brasileiro a cruzar a linha de chegada foi Ederson Vilela, 27, somente na 12ª colocação.

Foi também a primeira vez desde 2011 que o Brasil não chegou ao pódio em nenhum dos naipes -os cinco primeiros são premiados. Naquele ano, Cruz Nonata foi a sexta e Damião de Souza o sétimo.

O resultado de 2011 era também o pior obtido por atletas brasileiros no século até a prova de 2017. "Estou feliz com o meu resultado. No ano passado, fui o sétimo, mas o segundo melhor brasileiro. Neste ano, fui o melhor brasileiro", disse Vilela.

"Mas é verdade também que precisamos repensar as coisas. É muito ruim não ter nenhum brasileiro no pódio, em que pese a força dos africanos", disse o atleta que completou a prova em 46min55s, bem distante do vencedor Dawitt Admasu.

O etíope, que havia ficado com o triunfo em 2014, conquistou o bicampeonato com a marca de 44min15s em uma corrida disputada sob chuva.

Admasu, que registrou o melhor tempo da prova desde 2013, contou que vinha fazendo uma preparação especial para a São Silvestre. Passou mais de dois meses treinando em seu país natal, a 3.000 m de altitude.

"Acho que esta questão de treinar na altitude acaba sendo um diferencial para nós africanos", afirmou Admasu.
Para Vilela, os brasileiros precisam encarar a São Silvestre como uma prioridade.

"Nós [brasileiros] temos de correr várias provas no ano para fazer um pé-de-meia e acabamos chegando cansados. Mas isso não pode ser desculpa sempre", disse.

Há seis anos o Brasil não vence a prova masculina. O etíope Belay Bezabh ficou com o segundo lugar, com a marca de 44min33s. Já o queniano Edwin Rotich foi o terceiro, com 44min43s. Nos quilômetros iniciais da prova, ele foi tocado acidentalmente pelo brasileiro Wellington Bezerra e os dois acabaram levando um tombo.

"Eu nem vi o que aconteceu. Senti apenas um toque na minha perna e fui pro chão. Felizmente consegui me recuperar e manter o ritmo", disse o africano, vencedor em 2012 e 2013.

Na prova feminina, Flomena Cheyech sobrou em relação às adversárias e completou os 15 quilômetros em 50min18s. A segunda colocada, Birhane Adugana, da Etiópia, fez a prova em 50min55s.

Também no ano passado nenhuma brasileira subiu ao pódio feminino. A última vez que isso aconteceu foi em 2015, com a própria Joziane, na quarta colocação. O último triunfo data de 2006. "Sei que não é impossível vencer as africanas. No ano que vem, quero fazer mais treinos em altitude", disse.

Reportagem: FolhaPress

[imagem] => 7f2eaff67e3ce215f9d036da9326069e.jpg [url] => brasil-tem-pior-desempenho-do-seculo-na-corrida-de-sao-silvestre [visualizacoes] => 200 [created] => 03 de janeiro de 2018 - 07:26 [destaque] => [scroll] => [categoria_id] => 11 ) [User] => Array ( [id] => 23 [fullname] => Ben Hur Salomão Teixeira [active] => 1 [role] => adm ) [Categoria] => Array ( [id] => 11 [nome] => Esporte [url] => esporte [prioridade] => 6 ) [Noticiagaleria] => Array ( ) [Video] => Array ( ) ) 1
Maracaju em Foco - Notícias - Anúncio Maracaju em Foco - Notícias - Anúncio Maracaju em Foco - Notícias - Anúncio